Aumenta número de cidades com focos de raiva herbívora no RS: veja quais são

Aumenta número de cidades com focos de raiva herbívora no RS: veja quais são

O Rio Grande do Sul registrou 32 focos de raiva herbívora em 16 municípios de janeiro até a primeira semana de maio deste ano.

Em 2021, neste mesmo período, foram nove focos em sete municípios. As áreas de maior concentração são a Fronteira Oeste e a Região Metropolitana.

“As questões climáticas registradas no Rio Grande do Sul nos últimos meses, como a seca num primeiro momento e agora as enchentes, causam um grande estresse nas colônias, gerando maiores migrações de animais e aumentando o número de focos.

Pela nossa experiência ao longo dos anos, a chegada do inverno vai aumentar o número de casos”, alerta o coordenador do Programa de Controle da Raiva Herbívora da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Wilson Hoffmeister.

Wilson reforça a importância da participação dos produtores neste controle dos focos, fazendo a notificação dos casos de agressão de morcegos nos animais diretamente nas inspetorias e escritórios de Defesa agropecuária, da Secretaria da Agricultura, além de auxiliar na identificação dos refúgios nas suas propriedades e fazer a vacinação ou revacinação dos seus animais.

Municípios com casos registrados em 2022: Bossoroca, Caçapava do Sul, Caiçara, Candiota, Eldorado do Sul, Glorinha, Gravataí, Itacurubi, Novo Hamburgo, Santa Margarida do Sul, Santo Antônio das Missões, Santiago, São Lourenço do Sul, Unistalda, Vespasiano Corrêa e Cerro Grande do Sul.

Em 2021, foram registrados 48 focos de raiva herbívora em 31 municípios, a maioria de bovinos, sendo apenas um caso de ovino e um de equino.

Controle

O controle da raiva herbívora está fundamentado em três medidas, que devem ser adotadas de forma sistemática: a vacinação, para que os animais tenham anticorpos para se defender da doença; a identificação de refúgios e o controle populacional do morcego hematófago Desmodus rotundus (principal transmissor desta enfermidade), feito pela equipe especializada da Secretaria da Agricultura por meio da captura dos animais.

Laboratório do CEPVDF é credenciado para análises de raiva

As análises de raiva herbívora são feitas pelo Centro Estadual de Diagnóstico e Pesquisa em Saúde Animal Desidério Finamor (CEPVDF), em Eldorado do Sul, que realiza exames aceitos internacionalmente, como a prova biológica e o de imunofluorescência.]

O Centro realiza o diagnóstico oficial da raiva no Rio Grande do Sul desde sua fundação, atendendo o serviço veterinário oficial e órgãos de saúde do Estado.

De acordo com o chefe do laboratório, Vilar Gewehr, são realizados anualmente em torno de 1,2 mil diagnósticos, incluindo bovinos, morcegos, cães, gatos, animais silvestres e equinos, entre outros.

A prova rápida é entregue em até 48 horas úteis e a prova biológica em torno de 30 dias. Só neste ano, já foram realizados 32 diagnósticos com laudos positivos.

Comentários

Comentários