Caso Anthony: Padrasto é condenado por homicídio de criança de dois anos em Cidreira; mãe é absolvida

Caso Anthony: Padrasto e mãe serão julgados por morte de criança em Cidreira

Em um júri que durou todo o dia de quinta-feira, dia 11 de abril, em Tramandaí, o padrasto de Anthony Chagas de Oliveira, de dois anos, foi considerado culpado pelo homicídio do menino, ocorrido em 14 de outubro de 2022, em Cidreira, Litoral Norte do RS.

Hoffmeister Assistência Funeral

A mãe da vítima foi inocentada, mas o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) planeja apelar da decisão.

Diego Ferro Medeiros, de 22 anos, que já estava detido em Canoas, recebeu uma sentença de 58 anos e quatro meses de prisão por homicídio triplamente qualificado — motivo fútil, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Ele foi absolvido da acusação de tortura como forma de punição.

A pena deve ser cumprida inicialmente em regime fechado, sem direito a apelação em liberdade.

Feira dos Retalhos

Por outro lado, Joice Chagas Machado, de 28 anos, que estava em liberdade durante o processo, foi inocentada pelo júri popular da acusação de tortura por omissão.

Além dos depoimentos do padrasto e da mãe de Anthony, três testemunhas, todas da defesa do réu, foram ouvidas.

O promotor de Justiça André Tarouco conduziu a acusação.

Caso Anthony: Padrasto é condenado por homicídio de criança de dois anos em Cidreira; mãe é absolvida
Cosmos Uniformes

Ele afirmou que a condenação do réu foi exemplar no caso do homicídio, mas está avaliando se recorrerá das absolvições no caso da tortura pelo padrasto e da tortura por omissão da mãe.

O CRIME

Os pais biológicos da criança terminaram o relacionamento, e dois meses antes do homicídio, chegaram a um acordo extrajudicial, após o qual Anthony foi viver com a mãe e o padrasto.

No dia 14 de outubro, o padrasto levou a criança desmaiada para o posto de saúde de Cidreira.

Disco Mania

As versões de Joice e Diego sobre o que aconteceu neste dia foram diferentes durante a investigação.

Joice afirmou que o filho estava bem quando o entregou para Diego, enquanto este disse que o enteado já estava doente.

Segundo a denúncia do MPRS, o Conselho Tutelar de Cidreira não tinha registros anteriores de denúncias de agressão.

Xis do Jô

A criança apresentava hematomas no rosto, braços e pernas, além de ter um braço quebrado, de acordo com as investigações.

A perícia confirmou que a criança sofreu politraumatismo contundente devido à violência e, segundo a denúncia, havia indícios de que o menino já vinha sendo vítima de violência há algum tempo.

Receba as principais notícias no seu WhatsApp

Comentários

Comentários