Infestação de Aedes aegypti atinge 89% dos municípios no RS: novas mortes são registradas

Infestação de Aedes aegypti atinge 89% dos municípios no RS: novas mortes são registradas

Dois novos óbitos causados pela dengue foram confirmados no Estado, elevando o número de mortes pela doença a 15 no ano.

É o maior volume da série histórica no Rio Grande do Sul.

O número de casos contraídos dentro do Estado (chamados de autóctones) chegou a 16.010 e também é o maior em um ano.

Os últimos óbitos foram registrado nos municípios de Novo Hamburgo e Jabuticaba, que agora, junto com Horizontina, têm dois óbitos cada.

De acordo com o Painel de Monitoramento de Arboviroses, a demais mortes já confirmadas ocorreram em Horizontina (2), Novo Hamburgo, Sapucaia do Sul, Cachoeira do Sul, Lajeado, Chapada, Cristal do Sul, Igrejinha, Dois Irmãos, Boa Vista do Buricá e Jaboticaba. No ano passado, o Rio Grande do Sul registrou um total de 11 óbitos pela doença. Em 2020, foram seis.

A Secretaria da Saúde (SES) decretou no dia 27 alerta máximo contra a doença no Rio Grande do Sul (veja aqui o texto na íntegra).

A prevenção deve ser feita eliminando locais com água parada, onde o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, se reproduz.

 Infestação em 89% dos municípios

Até o momento, 443 municípios gaúchos foram considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti. O percentual, de 89,2% entre os municípios gaúchos, é o maior da série histórica do monitoramento, realizado desde 2000.

Com o expressivo número de casos e a larga distribuição do mosquito pelo Rio Grande do Sul, a Secretaria da Saúde reporça junto a população as medidas de prevenção, principalmente a eliminação de locais com água parada, que servem de pontos para o desenvolvimento das larvas do mosquito.

Essa proliferação acontece em maior volume nesta época do ano, que alia temperaturas altas com chuvas mais recorrentes.

Receba as principais notícias no seu WhatsApp

Comentários

Comentários