Quadrilha especializada em golpes financeiros é alvo de operação no Litoral

Uma quadrilha especializada em golpes financeiros foi desarticulada pela Polícia Civil na manhã desta sexta-feira em seis cidades do Rio Grande do Sul.

A operação, chamada de Ouro de Tolo, cumpriu 33 ordens judiciais nas cidades de Novo Hamburgo, Taquara, Nova Hartz, Sapiranga, São José do Norte e Capão da Canoa.

Mais de 50 agentes foram mobilizados para executar seis mandados de prisão preventiva, 23 de busca e apreensão e quatro quebras de sigilo.

As investigações estão em andamento desde o ano passado, quando foram apreendidos R$ 2,2 milhões junto ao autor de um homicídio em Novo Hamburgo.

Desde então, as autoridades descobriam que os membros da organização criminosa viviam uma vida de luxo para lavar o dinheiro obtido nas fraudes.

Em uma das apreensões, por exemplo, a polícia encontrou imagens de um avião que seria locado para transportar as vítimas.

A compra de imóveis e carros de alto padrão também fez parte da rotina dos criminosos – que, dentre outras coisas, usavam empresas de fachada para lesar pessoas interessadas em investimentos imobiliários.

A maior parte das vítimas era do Vale do Sinos, no Rio Grande do Sul, mas há indícios de que o grupo atuava também em Santa Catarina.

De acordo com a investigação, a quadrilha é especializada em um esquema conhecido como “3 por 1”. “Clientes” buscavam os estelionatários para trocar dinheiro verdadeiro por uma quantidade maior de dinheiro falso.

A Polícia Civil identificou casos em que pessoas trocaram R$ 100 mil legítimos por até R$ 300 mil em notas falsificadas.  Os “clientes” acabaram se tornando “vítimas” e denunciaram o caso à polícia.

Isso porque, em algumas situações, na hora de os estelionatários entregarem o dinheiro falso, eles encenavam uma ação policial em que o material era todo apreendido – com envolvimento de pessoas vestindo uniformes policiais e até carros que se passavam por viaturas.

Como tanto “cliente” quanto “fornecedor” estavam envolvidos em práticas criminosas, as situações, normalmente, não eram denunciados.

Receba as principais notícias no seu WhatsApp

Comentários

Comentários